O que é um Produto Mínimo Viável, o MVP

O desenvolvimento de um novo projeto requer bastante trabalho duro e os resultados pós-lançamento podem ser incertos. Pensando nisso, será que vale a pena fazer um projeto grandioso todo de uma vez e gastar toda sua verba sem a certeza de retorno?

Felizmente, há um método para testar possíveis ideias de projetos ou aplicativos que você tem. Você pode ganhar bastante conhecimento através da criação de um MVP, sigla do termo Minimum Viable Product, o produto mínimo viável. O benefício inicial de pensar em MVPs é que você tem que gastar menos tempo projetar e desenvolver seu projeto. Como resultado disso, você terá uma melhor visão da aceitação do mercado e retorno dos usuários desde o início. Isso melhora a qualidade das decisões que você faz para o seu produto, e garante uma evolução mais sustentável.

Neste tutorial, você vai aprender:

  1. O que é um produto mínimo viável (MVP)?
  2. Como definir seu MVP
  3. Aplicando as melhores práticas de construção de MVPs
  4. A construção de seu MVP
  5. Lançamento de um MVP e recebendo feedback do usuário

mvp - produto minimo viavel

1. O que é um produto mínimo viável (MVP)?

Um MVP, ou produto mínimo viável, é um produto que tem apenas recursos suficientes para testar se sua idéia, produto ou serviço, é viável no mercado. Para isso, todos os recursos não essenciais são inicialmente deixados de lado e a aplicação contém apenas as características que são consideradas o núcleo do produto.

  • Mínimo: Isso, como descrito anteriormente, significa que o produto contém apenas recursos básicos e tudo o que não é essencial é deixado de lado.
  • Produto: Claro, você está construindo um produto. Você está produzindo algo que deve ser interessante para as pessoas utilizarem, tendo uma aplicação bem clara.
  • Viável: Isso significa que o produto tem a chance de obter tração e criar valor para as pessoas. O valor é uma definição ampla. Por exemplo, um jogo oferece entretenimento, o que é valor. Geralmente considera-se que um produto é viável se ele pode gerar receita suficiente para valer a pena o custo de desenvolvimento do produto.

Quando você tem uma ideia de um produto, muitas vezes este produto é bastante complexo, tendo uma grande quantidade de funcionalidades, você deseja que os usuários consigam realizar uma variedade de coisas usando seu produto/aplicativo. No entanto, o núcleo real de um produto muitas vezes é muito pequeno e simples.

Um grande exemplo de um MVP é o aplicativo Snapchat. O Snapchat tem um foco específico, você pode ver e enviar imagens para outros usuários, mas as imagens enviadas expiram, são visíveis temporariamente. É um produto simples, com um foco. Eles testaram esse conceito central e tiveram sucesso. Somente após o lançamento inicial e validação do produto, fez sentido começar a trabalhar em mais funcionalidades.

Snapchat

Snapchat: criado e desenvolvido por estudantes da Universidade de Stanford.

Muitas das aplicações que conhecemos estão muito além do alcance de um MVP. Vamos pensar no Instagram, por exemplo. Inicialmente, o MVP poderia ter focado apenas em filtros. Você seria capaz de tirar uma foto, escolher uma foto existente, e colocar cinco filtros na fotografia e salvá-lo de volta ao rolo da câmera do dispositivo.

Lançar o Instagram como um produto mínimo viável teria testado o pressuposto de que as pessoas usam filtros para melhorar suas fotos. Se a aplicação ganhasse tração, você poderia trabalhar em atualizações do projeto com novas funcionalidades, como perfis públicos de usuários e suporte a vídeos. Se não der certo e você não conseguir tração, então provavelmente não vale a pena continuar o desenvolvimento. Talvez uma idéia diferente seja mais viável, e isso lhe permitiria desenvolver aos poucos o projeto, sem gastar seus recursos em fazer tudo de uma vez e perder muito mais tempo e dinheiro.

Instagram

Veja como o Instagram soube pensar num MVP para seu site. Simples e objetivo

Trabalhar em MVPs significa levar em consideração o custo de oportunidade enquanto trabalha em um produto. Afinal de contas, falhar cedo significa que você economiza tempo para construir um produto de sucesso, parando o desenvolvimento do produto ou da funcionalidade mais cedo, quando esta falhar.

Defina o núcleo do seu produto. Construa esse primeiro conjunto de recursos e o teste no mercado.

Desenvolver todos os recursos possíveis que você tem em sua mente pode levar meses ou anos, enquanto um simples MVP pode levar apenas um par de semanas para criar. Como experiência pessoal, no início de minha carreira trabalhei no projeto de um grande ecommerce brasileiro que desejava criar um produto para o mercado esportivo, mas falhou ao passar anos desenvolvendo o produto e ao lançar não ter o retorno desejado. Isso fez com que milhares de reais fossem jogados fora quando o lançamento do núcleo do projeto já poderia ser usado para testar o retorno do mercado e se valia a pena fazer todo o resto. Uma série de conceitos poderiam ser testados e corrigidos durante este ciclo de atualizações do MVP. Ao menos serviu como uma grande experiência profissional, mas não é algo que desejo que aconteca com outros empreendedores, que não tem verba disponível para arriscar assim.

Liberar cedo tem esta vantagem essencial: o feedback do usuário. Você é capaz de coletar feedback do usuários no início e moldar o produto com base no que os usuários querem, afinal sem um público satisfeito com o que lhe é fornecido você nunca atingirá as conversões desejadas.

2. Definindo seu MVP

Antes que você possa realmente começar a desenvolver algo, você precisa definir o seu MVP e roadmap de produtos. Sim, esqueça desenvolvimento ou design nesse momento e diga olá para planilhas e documentos de texto.Que recursos são essenciais e quais são legais mas não essenciais? É muito importante manter-se o mais objetivo possível durante este processo. Uma funcionalidade que você ama muito pode não ser algo essencial para ser inserido no núcleo do seu produto. Então este é o primeiro passo, brainstorm com a equipe (com seu sócio, um amigo questionador), debate das idéias para decidir se um recurso é realmente essencial ou se é algo legal mas não essencial.

O próximo passo será listar as características e funcionalidades em termos de prioridade. O que é mais importante e cria o maior valor no curto prazo? Uma vez que você definiu isso, você pode colocar os recursos remanescentes em um roadmap de produto para definir o que você estará construindo nos próximos ciclos de desenvolvimento do projeto, uma vez que seu produto decolar.

Entender melhor o conjunto de recursos do seu produto é avaliar todos os recursos em uma escala de 1 a 10, levando em conta a importância, complexidade e valor agregado para o usuário. Você pode tomar as melhores decisões em termos de cronograma para o seu produto quando você entender os vários componentes de cada recurso.

3. Aplicando as melhores práticas de construção de MVPs

  • Quando você tiver uma idéia, dê uma olhada no mercado existente. Que produtos similares estão lá fora? Qual é a sua proposta de valor? Como você faria isso de forma diferente, ou, ainda mais importante, melhor?
  • Depois de terminar de escrever um conjunto de recursos, sempre reveja cada característica e me se pergunte se é realmente necessária. Será que o usuário realmente precisa criar uma conta? Se sim, será que não vale mais a pena integrar com login com redes sociais já existentes, ao invés de o forçar a preencher todo um cadastro novamente? Podemos descartar recursos para que possamos evitar a construção de um back-end mais complexo?
  • Segundas opiniões são muito valiosas quando estamos definindo o escopo um MVP.
  • Existem APIs, SDKs, ou frameworks disponíveis que podem fazer ser utilizados como base?
  • Para roadmaps de produtos, planeje sempre uma versão afrente e tente manter roadmaps de curto prazo, eles vão ser fortemente influenciados pelo feedback dos usuários.
  • Faça uma pesquisa técnica adequada, uma vez que você terminar o seu conjunto de recursos. Ninguém gosta de surpresas quando já estão desenvolvendo um produto.
  • Fale sobre sua idéia. Há um monte de valor no feedback de quem está em sua volta.
  • Ao colaborar com designers, tente reduzir a quantidade de animações no produto inicial, mas não deixe de já os planejar no primeiro momento para evitar mudanças muito drásticas na interface.

4. A construção de seu MVP

Todo desenvolvedor ou equipe tem diferentes preferências sobre como construir um produto. Eu vou mantê-lo breve, construir o produto do jeito que você gosta e não perder de vista o que você inicialmente definido como o produto mínimo viável.

Tome cuidado com deformações de funcionalidades, especialmente se múltiplos stakeholders estiverem envolvidos. Muitas sugestões para os recursos podem ser incluídos em uma próxima versão, mantenha o foco no essencial. Enquanto você continuar a revisar o conjunto de recursos e tomar decisões inteligentes com base na visão inicial do produto e as informações que você pode ganhar ao longo do caminho, você vai permanecer no caminho certo e saber escolher quais realmente são prioritárias, quais devem ser descartadas, e quais novas idéias devem ser incluídas nesta lista.

A garantia da qualidade do produto é mais um passo importante na construção de um MVP. Assegurar que seu produto simplesmente funcione bem. Gaste tempo suficiente para fazer a correção de bugs. Se você é um desenvolvedor solitário, considere uma pequena versão beta privada com amigos e familiares. Se você tiver orçamento, em seguida, contratar uma empresa ou um desenvolvedor focado no controle de qualidade também pode ser uma solução eficaz para manter o seu produto livre de bugs críticos que poderiam prejudicar o lançamento do produto.

5. Lançamento de um MVP e recebendo feedback do usuário

mixpanel

Plataformas como o Mixpanel pode o ajudar a entender melhor sua base de usuários

Parabéns! Seguindo este fluxo proposto, a esta altura você terminou de construir o seu produto. Mas isso foi só uma pequena parte do grandioso caminho que ainda temos a percorrer. Depois de terminar o desenvolvimento, estas são as suas próximas prioridades de curto prazo:

  • Obter tração para o seu produto.
  • Obter feedback sobre o seu produto inicial.
  • Identificar falhas, como bugs, problemas do produto e recursos que faltam.
  • Identificar os pontos fortes do seu produto

Fazer o marketing seu novo projeto normalmente não é uma tarefa fácil. O ideal é já ter um planejamento para isso desde o início, pois tarefas como SEO, Links Patrocinados, Marketing de Conteúdo, etc, demandam equipe, tempo e custos adicionais, porém necessários, tenha isso em mente.

Sobre ganhar tração inicial, vamos levantar alguns pontos. Depois de ter um primeiro conjunto de usuários, suas prioridades mudam mais uma vez. Agora seu foco maior deve ser:

  • Pedir feedback de sua base de usuários
  • Analisar o feedback dos usuários
  • Atualizar o roadmap de produtos e continuar a desenvolver

Não é fácil obter feedback dos usuários. Caso seja um aplicativo mobile, sua classificação na App Store ou Google Play e comentários de usuários lhe dizer alguma coisa, mas o ideal é ter feedbacks com um pouco mais de profundidade. É importante estar sempre disponível para os seus usuários, tendo contas nas redes sociais mais utilizadas, incluir suas informações de contato no aplicativo e não tendo medo de ser pró-ativa, abordando alguns de seus usuários.

Se você já trabalhou com testadores para seu produto, então você já tem uma lista de pessoas que você pode chamar para uma conversa.

Sempre que você receber feedback, é importante analisá-lo atentamente. Esteja ciente de que quando algo é ruim, há uma chance maior de pessoas falarem mal do que quando eles gostam de algo. O feedback que você recebe pode ser ruim, mas isso não significa necessariamente que o produto é todo ruim.

Para avaliar se o seu produto é viável, use ferramentas que lhe dão métricas sobre o uso, como Google Analytics e Mixpanel, para acompanhar a atividade do usuário e retenção dos mesmos.

Compare o feedback dos usuários com sua visão do produto e roadmap dele. A parte mais difícil é definir como esse feedback deve moldar a visão do produto e isso é uma escolha que cada proprietário do produto tem de fazer por si mesmo.

Conclusão

Parabéns, se você leu toda esta matéria, você aprendeu sobre os produtos mínimos viáveis (MVPs),como eles fazem o desenvolvimento de produtos mais eficientes, e como você é capaz de tomar as melhores decisões após o lançamento do seu produto.

Uma última dica que eu quero dar é provavelmente a lição mais importante, saber quando o MVP não é viável. Decidir não prosseguir a idéia do produto é provavelmente uma das decisões mais difíceis que um empreendedor tem que fazer, mas não há nenhuma dúvida em minha mente que, às vezes, acontecem quando você cria produtos, afinal quantos empreendedores de sucesso não faliram várias empresas antes de chegar ao topo? As estatísticas são extremamente valiosas na fase pós-lançamento e vão te ajudar a tomar decisões orientados por dados, e não por achismos.

Falando em Feedbacks, que tal deixar seu comentário por aqui e nos dizer o que achou desta matéria? Também adoramos feedbacks por aqui!

Artigo baseado no original postado por Sven Lenaets no site TutPlus, com dicas adicionais por Guga Alves