Rancor, ódio, torpor… Um ode pelo fim do desamor!

Escrevi esse texto originalmente em um caderno de rascunhos durante um intervalo de trabalho que tive. Ainda tenho uma queda pelo papel e caneta na hora de escrever coisas que realmente me importam, que exprimam minhas emoções pessoais.

Como inspiração, lembrei de uma amiga que passou por um problema na vida real relatado hoje em seu Facebook e como li em uma rede social isso me fez pensar e lembrar de vários casos de grupos no Facebook e posts de amigos onde pessoas que nem os conhecem chegam já com ofensas e falta de compaixão comentando e ofendendo quem mal conhecem, disseminando ódio ao invés pelo menos tentar alguma compreensão antes de atacar o outro.

Segue o texto abaixo.

Resolvi voltar a usar papel e canetas,
e de novo escrever coisas boas, sem tretas,
pois no silêncio do caderno não habilito comentários,
nem preciso ouvir pessoas me chamando de otário.

Tenho visto muitos conflitos nas redes sociais,
e compaixão se perdendo por conflitos banais.
Discussões banais, desrespeito, desgosto,
Sem nem ao menos tentar se colocar no lugar do outro.

Por muito tempo esse mar de ódio me calou,
Falta de fé no ser humano quase me apunhalou.
Foi então que descobri que por trás do monitor,
O bonzinho vira fera, o leigo acha que é doutor.

Num momento de revolta, de raiva e torpor,
Pessoas brigam se deixando levar por aquele calor.
Não calor do ambiente, calor de uma discussão,
da necessidade de ser o certo, sem nenhuma compaixão.

Rotulam todo mundo, quem nem ao menos conhecem,
ao ver algo que discordam, só porrada descem,
Com essa postura pobre o outro lado enrijecem
e as reais conexões nunca se estabelecem.

É preciso acreditar um pouco mais no amor,
se colocar no lugar do outro, acabar como o mal humor,
Acabar com esse cancêr que é proferir só rancor,
E extinguir de vez um proliferado tumor.

Vou ficando por aqui, escrever sobre coisa ruim dói,
me dá um nó na garganta, minha alegria se corrói.
Sou só mais um humano, não tenho força de herói,
Mas tenho o poder que mais dá certo: Amor, que constrói.


Falei que escrevi um texto, na verdade escrevi dois, mas como o outro era para a referida amiga que sofreu problemas na vida real, por questões de privacidade e respeito foi enviado apenas para ela.

Situações ruins de se escrever, mas que ao menos consegui tirar alguma inspiração pra botar pra fora coisas que já queria escrever faz tempo.

E não sei dizer porque, mas isso tudo me lembrou uma música do Charlie Brown Jr que adoro a letra e acabei postando também em meu Instagram Stories, então segue ela aqui também, legendada:

Viver, viver e ser livre
Saber dar valor para as coisas mais simples
Só o amor constrói
Pontes Indestrutíveis

 


Sobre Guga Alves

Happiness Engineer at WordPress.com / Automattic, I'm that guy who works hard to put a smile on your face when you need help from us! Happiness is all that matters in our lives and my main focus is share it with you!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s