O que espero das eleições do Flamengo

“Quero cantar ao mundo inteiro a alegria de ser rubro-negro”, embora nos últimos tempos, as alegrias tenham sido poucas.

Sim, poucas alegrias, mas nem estou me referindo apenas ao time de futebol do meu amado Clube de Regatas do Flamengo, pois no futebol é normal ter alguns altos e baixos. Falo de todo processo de gestão do clube e marca Flamengo pela atual diretoria, que pouco fez pelo time e menos ainda pela imagem da centenária instituição.

Na minha infância tive o prazer de nadar nas mesmas águas que Patrícia, mas apenas como um sócio do Flamengo que praticava natação para melhorar seus problemas respiratórios, mas que vivia intensamente todos os minutos passados no clube. A alegria de ver um Júnior treinando e conduzindo o time em 92, a alegria de brincar no parquinho, de chorar quando o pai falava que estava na hora de ir embora pra casa.

Sou e sempre fui fã da atual presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, mas minha admiração é baseada na atleta, não na dirigente, e quando ela surgiu como candidata a presidência do Flamengo (na 1ª eleição que concorreu, não nesta de 2012), confesso que tive a esperança de que uma ex-atleta do clube poderia reerguer o rubro-negro no cenário nacional por conhecer bem a casa, entretanto, hoje minha visão é mais cética e sem paixão envolvida, pois todo o processo de gestão desta diretoria nos mostrou que é preciso bem mais do que apenas paixão para se fazer bem feito.

Gerenciar uma instituição do porte do Flamengo pede bem mais do que paixão, é necessário um conjunto de habilidades gerenciais e políticas que são necessárias para um correto planejamento, gestão de pessoas, financeira e política, diferente do que vimos nos últimos 3 anos com contratações sem sentido, dirigentes sendo convidados a gerir alguns setores e não tendo o respaldo necessário no turbilhão político que o clube sempre vive, falta de pulso firme, falta de patrocinador por conta dos problemas vividos e má gestão, dirigentes querendo briga com torcedores após jogo, e diversos outros problemas.

Hoje, a esperança é que a Chapa Azul ganhe as eleições, pois se mostrou um grupo formado por profissionais competentes em suas áreas de atuação e que tem total condição de fazer uma gestão correta se esta for realmente sua intenção, e que tem o apoio do maior ídolo da nação, Zico, profissional sério que tentou ajudar a atual gestão mas foi crucificado politicamente por medo de alguns simbiontes que vêem o Flamengo apenas como um hospedeiro forte para lhe dar alguma vantagem.

Hoje é dia do verdadeiro Rubro-Negro ficar na torcida pelo Clube que tanto ama, torcendo para que a nova diretoria que for eleita seja realmente séria e melhor que a atual, e que saiba investir corretamente para que o Clube do Flamengo volte a ter a grandeza que a marca Flamengo, embora arranhada pela atual gestão, ainda tem.

E que em 2013, este sangue rubro e pele negra possa novamente cantar ao mundo inteiro a alegria de ser rubro-negro, dentro e fora das 4 linhas do saudoso Maracanã (que em breve estará pronto para nos receber novamente).

Flamengo